Exercícios e Técnicas de Música, é só estudar    Vestibular Unis       Cursos  

  Teclas, Cordas, Sopro e Percussão: Gravações   Unis Graduação   Unis Pós-Graduação 

MACRISAN
Música: a arte interminável
Meu Diário
03/12/2022 07h01
Compositoras

Vinte e uma compositoras, da Idade Média até os nossos dias

porRedação CONCERTO08/03/2021

 

Luta contra preconceitos, reconhecimento tardio, momentos históricos, obras inovadoras, criação de novos espaços, aposta na experimentação: conheça abaixo a trajetória e a obra de vinte e uma compositoras.

Hildegard von Bingen (1098-1179)
Uma das figuras mais fascinantes de sua época, Hildegard von Bingen foi monja, mística, teóloga, compositora, dramaturga, escritora. Sua produção musical, na escolha de temática, dialoga com suas ideias a respeito da teologia e de suas visões sobre a existência: para ela, a vida era resultado da união harmoniosa entre corpo e espírito, entre a vontade humana, a natureza e a graça divina. 

 

Barbara Strozzi (1619-1677)
Em meados do século XVII, Barbara Strozzi ficou conhecida em Veneza por suas composições vocais de temática secular, apesar de também ter se dedicado à música sacra (nesse universo, deixou obras como Mater Anna, dedicada a Anna de Medici). Suas obras carregam enorme lirismo e colocam enorme importância na qualidade vocal do intérprete. Privilegiava, ao escrever, a voz de soprano.

 

Louise Farrenc (1804-1875)
Aluna de piano de Johann Nepomuck Hummel, Louise Farrenc costumava se apresentar ao lado do marido, o flautista Aristide Farrenc. O talento ao piano fez dela, por mais de três décadas, professora do instrumento no Conservatório de Paris. Como compositora, depois de se dedicar a peças para piano solo, passou a escrever obras orquestrais e de câmara, com destaque para o Noneto (entre os músicos que fizeram a estreia da peça estava o violinista Joseph Joachim). 

 

Fanny Mendelssohn (1805-1847)
Boa parte da obra de Fanny Mendelssohn não foi publicada em vida. E, em alguns casos, acabaram editadas como se fossem de seu irmão Felix Mendelssohn. Isso por conta da resistência de sua família em tê-la atuando como compositora. Desde os anos 1970, no entanto, sua obra tem sido resgatada, incluindo seu conjunto de mais de 250 canções. Sua Easter Sonata, por exemplo, só foi apresentada como sua em 2012. 

 

Chiquinha Gonzaga (1847-1935)
Pianista e compositora, Chiquinha Gonzaga é figura fundamental para se entender os caminhos da música brasileira na passagem do século XIX para o século XX. Autora de peças para piano solo, canções e operetas, participou ativamente do desenvolvimento da música urbana carioca. De ascendência negra, lutou pela Abolição da Escravidão, além de se envolver em outras causas marcantes da época.  

 

Teresa Carreño (1853-1917)
Conhecida como a “valquíria do piano”, a venezuelana Teresa Carreño esteve nos palcos por mais de cinquenta anos, apresentando-se em especial nos Estados Unidos, onde conquistou fama sem precedentes. Sua produção como compositora é formada em especial por obras para piano solo – são mais de 75 –, mas ela também escreveu canções, peças para coro e música instrumental.

 

Cécile Chaminade (1857-1944)
Nascida em Paris, fez o primeiro recital com obras próprias aos 8 anos de idade, chamando atenção do meio musical francês, em especial de Georges Bizet. Fez carreira de destaque como intérprete na Inglaterra e em sua terra natal. Entre suas principais obras, estão as canções, publicadas com sucesso durante sua vida. Suas peças para piano eram usadas nos cursos do Conservatório de Paris.

 

Amy Beach (1867-1944)
Pianista, Amy Beach foi obrigada pelo marido a fazer apenas um recital por ano. Dedicou-se, então, à composição. Em 1896, a Gaelic Symphony fez história ao ser estreada pela Sinfônica de Boston: foi a primeira sinfonia encomendada a uma mulher nos Estados Unidos. Nascida em New Hampshire, escreveu também um concerto para piano e uma Missa, além de música de câmara para diversas formações. 

 

Germaine Tailleferre (1892-1983)
Com o apoio da mãe, já que seu pai se opunha a seus estudos de música, a francesa Germaine Tailleferre integraria anos mais tarde o chamado Les Six, grupo que reunia os compositores Georges Auric, Louis Durey, Arthur Honegger, Darius Milhaud e Francis Poulenc. Escreveu concertos, peças de câmara e balés (encomendados por Sergei Diaghilev), além de ter sido pioneira na composição da música para cinema. 

 

Lili Boulanger (1893-1918)
Lili Boulanger, nascida em uma família de músicos, foi a primeira mulher a ganhar o Prêmio de Roma de composição. Morreu jovem, aos 25 anos, deixando uma seleção de peças para solista vocal e coro, poemas sinfônicos e uma ópera inacabada, escrita a partir de poemas de Maurice Maeterlinck. Sua irmã Nadia, além de compor, foi uma das principais professoras de composição do século XX.

 

Eunice Katunda (1915-1990)
Eunice Katunda fez sua estreia como pianista ainda na adolescência, apresentando-se com orquestra em São Paulo e no Rio de Janeiro. Estudou composição com Hans Joachim Koellreutter e foi representante do movimento Música Viva. Filiada ao Partido Comunista, entendia que a música deveria ser uma ferramenta de integração social e humana, estando a serviço da construção de uma ideia de coletividade. 

 

Esther Scliar (1926-1978)
Nascida em Porto Alegre, Esther Scliar formou-se compositora no Rio de Janeiro, sofrendo influência do Grupo Música Viva. Uma de suas peças mais importantes é a Sonata para piano, ainda que sua obra tenha incluído diferentes gêneros, inclusive a música para teatro. Como professora, orientou artistas como Milton Nascimento, Egberto Gismonti e Ronaldo Miranda. 

 

Sofia Gubaidulina (1931)
Nome-chave da composição russa da segunda metade do século XX, Sofia Gubaidulina ganhou fama internacional a partir dos anos 1980, com seu concerto para violino Offertorium. Suas obras estão ligadas à ideia de transcendência humana e costumam ser associadas à noção de “espiritualismo místico”. A percussão também tem lugar importante em sua criação, marcada pela inovação e pela busca de novas sonoridades.

 

Jocy de Oliveira (1936)
Como pianista, Jocy de Oliveira trabalhou de perto com compositores como John Cage, Luciano Berio, Igor Stravinsky e Claudio Santoro. Desde cedo, no entanto, nutriu interesse pela composição, escrevendo obras históricas na cena brasileira, como Apague meu spotlight, cuja estreia foi a primeira apresentação no país de um espetáculo de música eletroacústica. O teatro musical tem importância central em sua obra, que trata de temas como a condição da mulher na sociedade e o preconceito perante a diferença.

 

Marisa Rezende (1944)
Criadora do grupo Música Nova, em 1988, Marisa Rezende desenvolve importante carreira como professora: atuou durante mais de vinte anos na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Sua obra como autora é marcada por uma constante investigação estética que une tanto ensinamentos da vanguarda quanto o uso da consonância. A variedade de sua obra vem da recusa da rigidez na busca de caminhos sonoros. 

 

Kaija Saariaho (1952)
A finlandesa Kaija Saariaho trabalhou durante anos no Ircam, em Paris, e define sua música como uma tentativa de “responder a questões técnicas relacionadas à forma e ao material sonoro”. Em sua vasta produção, ela própria costuma destacar a importância da voz e, em especial, suas óperas, como L’amour de loinInnocence e Émilie, nas quais articula a escrita para grande orquestra com recursos eletrônicos. 

 

Pamela Z (1956)
A compositora norte-americana recebeu distinções como o Prêmio de Roma e tem sua obra marcada por um forte desejo de experimentação. Costuma utilizar linguagem multimídia, com forte impacto visual, em obras escritas para conjuntos como o Quarteto Kronos. Também trabalha com o Bang on a Can, centro de música contemporânea baseado em Nova York, e já escreveu música para a companhia de Pina Bausch.

 

Tatiana Catanzaro (1976)
Doutora em música e musicologia pela Universidade de Paris IV – Sorbonne, Tatiana Catanzaro, desenvolveu o pós-doutorado também na França, no Ircam. Escreveu obras para grupos brasileiros e europeus, como a Camerata Aberta e o Itinéraire. Atualmente é professora de composição e novas tecnologias no Departamento de Música da Universidade de Brasília. 

 

Michelle Agnes (1979)
Nascida em Campo Grande, Michelle Agnes formou-se e mais tarde fez doutorado na Universidade de São Paulo. Mudou-se para a Europa em 2013, onde teve aulas como Salvatore Sciarrino e foi pesquisadora do Ircam. Também passou uma temporada na Universidade de Harvard, onde sua obra foi definida como a exploração dos limites entre “o gesto e a escrita, a composição e a improvisação”. Vive hoje em Paris. 

 

Caroline Shaw (1982)
Em 2018, a norte-americana Caroline Shaw foi a mais jovem vencedora do Prêmio Pulitzer de música pela composição Partita para oito vozes, elogiada pelo júri pela forma como une “fala, sussurros, murmúrios, melodias sem palavras e efeitos vocais inovadores". Já teve obras encomendadas por orquestras como as sinfônicas de Baltimore e Seattle e por grupos de câmara como o Brentano Quartet.

 

Valéria Bonafé (1984)
Aluna de Heloisa Zani e Willy Correa de Oliveira na USP, estudou também com Aylton Escobar e Silvio Ferraz. Viveu na Alemanha, onde pesquisou para o doutorado em Stuttgart. É uma das criadoras da rede Sonora - Músicas e Feminismos. Realiza pós-doutorado no Núcleo de Sonologia da USP. Entre os assuntos que a interessam, ela ressalta as noções de sonoridade e de imagem; as dimensões da memória e do afeto; a oralidade e o espaço (auto)biográfico; a escuta e o campo dos feminismos.


De: Concerto


 


 

 


 

 


 

Sonora

 

Sonora: músicas e feminismos é uma rede colaborativa que reúne artistas e pesquisadorxs interessadxs em manifestações feministas no contexto das artes. Surgiu em abril de 2015 a partir da necessidade de trazer visibilidade e possibilitar o diálogo sobre o trabalho artístico das mulheres. Desde então, fazemos reuniões semanais presenciais no Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com apoio do NuSom – Núcleo de Pesquisas em Sonologia da USP, com transmissão online e participação virtual de membrxs da rede. Sonora propõe a criação e ocupação de espaços, a realização de pesquisas e debates, e está envolvida em atividades musicais e sonoras de diversas vertentes. Sonora é atravessada por incertezas, indefinições, reticências, aberturas, afetividades, sensibilidades, ruídos.

 

Realizamos cinco atividades regulares: 

  • a série Vozes, que recebe mulheres artistas para apresentarem e falarem sobre seus próprios trabalhos; 

  • a série Visões que recebe pesquisadorxs que atuam na áreas de gênero e feminismos;

  • a série Escuta:, um espaço dedicado à performances, concertos e shows criados ou tocados por mulheres e seguidos de conversa; 

  • a série Experimenta, um espaço dedicado a oficinas de práticas diversas ligadas à música, som, tecnologia e áreas afins. 

  • um grupo de estudos com discussões de textos e sessões de escuta; 

Além disso, desenvolvemos projetos especiais, como podcasts, encontros e simpósios, e promovemos ações de cunho político voltadas a temas específicos.

 

Reuniões: segundas-feiras, às 17h30, no Departamento de Música da Universidade de São Paulo.
Canal do YouTubewww.youtube.com/sonoramusicasefeminismos
Página do Facebook: www.facebook.com/sonoramusicasefeminismos


 

 

Publicado por MACRISAN
em 03/12/2022 às 07h01
 
29/11/2022 11h55
Classe de Aula

  

 

 

São 48 aulas presenciais, 1 por semana, para estudar e se preparar em vários instrumentos musicais.

O pagamento fica a escolha, podendo desistir a qualquer momento. É uma maneira de estudar em casa e com o professor de forma presencial.

A aula presencial será realizada na MACRISAN, Av. Ezequiel Joaquim de Oliveira, 1729, Pauliceia, SP.

Há livros digitais, esses podem ser impressos, fica a critério de cada um.

São aulas em grupo, tendo o máximo de 20 vagas por período.

As aulas acontecem toda segunda-feira:

*Manhã: das 09:30 horas até 11:00 horas;

*Tarde: das 13:00 horas até 14:30 horas;

*Noite: das 19:00 horas até 20:30 horas.


 

  

 

Há um livro para ensinar a ler as notas musicais.
Há um livro para ensinar como tocar as notas musicais, onde está incluso o repertório musical.
Há a formação de como tocar sozinho e em conjunto, fazendo arranjos e tendo a orientação sobre a execução musical.
É de fácil compreensão.
As aulas são presenciais e virtuais.


  


 

Publicado por MACRISAN
em 29/11/2022 às 11h55
 
08/11/2022 13h23
EAD 2023: Vestibular

Estude!

 


 

🚨 HOJE VAMOS LANÇAR UMA SUPER PROMOÇÃO 🚨

Bom dia pessoal, tudo bem?

Hoje lançaremos a Campanha "Pra Começar 2023, Daquele jeito".

Vamos estimular a entrada de novos alunos a partir do benefício inicial de começo de ano com 70% de bolsa, claro, pensando ai na segunda parcela do 13º salário. 

⏳A Campanha têm validade de 15/12 até 06/01. 

- Condições: 
🚦Graduação: R$59,00 Matrícula + dois meses com 70% de bolsa (exceto promocionais) + Depois de 2 meses o aluno garante 20% de Bolsa no curso todo
🚦Pós Graduação: R$59,00 Matrícula + três meses com 70% de bolsa + Depois de 2 meses o aluno g
arante 20% de Bolsa no curso todo.


 

Comece 2023 daquele jeito! 😁✌️

Fazendo sua matrícula entre 15/12 a 06/01, você ganhará 70% de bolsa 💰 para o primeiro trimestre da sua Pós-graduação EAD, além de também garantir uma bolsa de 20% para o curso todo.
Chegou a hora de você se colocar à frente no mercado de trabalho e agregar ainda mais ao seu currículo. 💼📈

Matricule-se agora mesmo e venha fazer a diferença! 🤩✨

 



 




Cursos de Graduação:

 

Bacharelado em Administração

Bacharelado em Ciências Contábeis

Bacharelado em Educação Física

Bacharelado em Engenharia Civil

Bacharelado em Engenharia de Produção

Bacharelado em Música

Bacharelado em Publicidade e Propaganda

Bacharelado em Sistemas de Informação

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Física

Licenciatura em Letras Português

Licenciatura em Letras Português - Inglês

Licenciatura em Matemática

Licenciatura em Música

Formação Pedagógica para Bacharéis em Música

Licenciatura em Pedagogia

Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnologia em Big Data e Inteligência Analítica

Tecnologia em Comércio Exterior

Tecnologia em Computação em Nuvem

Tecnologia em Estética e Cosmética

Tecnologia em Gastronomia

Tecnologia em Gestão Comercial

Tecnologia em Gestão Financeira

Tecnologia em Internet das Coisas

Tecnologia em Jogos Digitais

Tecnologia em Logística

Tecnologia em Marketing

Tecnologia em Podologia

Tecnologia em Processos Gerenciais

Tecnologia em Recursos Humanos

Tecnologia em Produção Multimídia


 


 

Conheça os novos Cursos de Pós-Graduação!


Veja as Imagens dos Cursos


 

Publicado por MACRISAN
em 08/11/2022 às 13h23
 
01/08/2022 12h31
Canto

Fisiologia Vocal

Fisiologia vem de "physis", natureza, função ou funcionamento; "logos" significa estudo. Portanto, fisiologia vocal, é o estudo das funções do órgão da voz.

Profissionais direcionados ao Estudo da Voz: Fonoadiólogos, Otorrinolaringologistas, Professores de Canto.

A produção vocal precisa de vários órgãos: aparelho respiratório, laringe, cavidades de ressonância e os articuladores.

 

Treinamento Vocal

 

1º Alongar, sempre respirando...

2º Relaxar, sempre respirando...

3º Mastigação Selvagem: Realize “caras e bocas”... aperte a boca, os olhos, o nariz, sinta o rosto “formigar” por causa da circulação sanguínea.

4º Estimular o Diafragma.

5º Treinar a respiração diafragmática: Respire, segure um pouco e solte em forma de sssssss, sempre contraindo a barriga enquanto o ar sai.

6º Aquecimento vocal com lábios: “bruu” e língua: “Truu”. Inicialmente aleatório, depois com melodias de canções conhecidas e depois com os exercícios de escalas e outros que serão propostos nesse curso.

7º Vocalizes: Vamos aprender vários! Inicialmente imagine a melodia de uma canção folclórica, ou qualquer outra que você conheça, e cante a melodia primeiro só com as vogais, depois com a letra toda.

8º Repertório: Treine textos e ou canções conhecidas nas quais você perceba o conforto da voz, ou seja, cantar sem esforço.

9º Performance: Treine o texto que será falado e depois cantado em frente ao espelho. Filme e ou grave você falando e ou cantando para verificar o que pode melhorar. Ensaie a música toda com ou sem acompanhamento, da maneira que pretende performar. Mesmo em casa, é necessário treinar a expressão facial, corporal e outras que pretende utilizar numa apresentação.

10º Desaquecimento vocal: momento de relaxar a prega vocal, fazê-la voltar à posição inicial e assim, descansar a voz.

11º Autoavaliação: apreciar, ouvir, perceber, imaginar, confrontar, pensar o que pode ser melhorado.

 

 

 

Referência: Guia de Noções Básicas de Canto. Autoria de Prof. Esp. Andréia Cristiane de Oliveira Carvalho.

Publicado por MACRISAN
em 01/08/2022 às 12h31
Página 1 de 10
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10